Pão Alentejano no Porto


Uma prova de que o pão e a sua indústria ainda tem muito caminho por trilhar, muito por onde fermentar. Esta casa é apenas mais um exemplo de que o pão é uma excelente ferramenta gastronómica ao serviço do turismo português.

Leia o artigo completo aqui:https://nit.pt/buzzfood/restaurantes/intrigo-pao-alentejano-casa-gigante-no-porto

Anúncios

Pão branco tão saudável como pão de centeio


É bem verdade para nós. Este artigo do site zap.aeiou desmistifica a ideia de que pão branco é menos saudável que outros pães como o pão de centeio, pães escuros e com mais tempos de fermentação.

Leia o artigo completo: https://zap.aeiou.pt/afinal-pao-branco-pode-tao-saudavel-pao-integral-fermentado-162567

Pastel de nata invade Rússia!


O pastel de nata, um dos ícones da pastelaria portuguesa, é, sem dúvida, um caso de sucesso à escala planetária. Ora prestemos atenção à história deste empresário russo que aposta na iguaria portuguesa para fazer crescer o seu negócio.

A receita do pastel de nata foi dada por um amigo ucraniano, os equipamentos são portugueses e o negócio é na Rússia. Vejamos o vídeo publicado pelo canal RTP.

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=801529&tm=4&layout=122&visual=61

Pão de Forma de kiwi, melancia, maracujá e que mais?


Pois é, a criatividade não tem barreiras, em especial no setor de panificação e pastelaria industrial.

Recentemente, tivemos conhecimento de uma boa notícia que certamente contentará todos aqueles que nos acompanham no nosso blogue e que nos faz, cada vez mais, gostar mais da padaria e pastelaria.

Em São Paulo (Brasil), nomeadamente na Larpan, uma casa de pães fundada nos anos 80 e que se preconiza pela grande variedade de produtos, lançou pelas mãos do Cheff Altimar Lourencetti, uma linha de pães de forma dedicada a frutas. Sim, pão com aspeto de fruta!

Nas fotografias abaixo facilmente identificamos a associação: kiwi, melancia e maracujá em pão de forma.

Mesmo para os mais leigos, é, sem dúvida, um produto que atrai pela sua curiosidade e, acreditamos, pelo sabor.

pão de forma kiwi pão de forma melancia pão de forma maracuja

Agradecemos o Cheff Altimar Lourencetti pelo contacto com a nossa página e parabenizamos pela iniciativa.

Os gatos e o pão nosso de cada dia!


Um conjunto de fantásticas fotografias que, de forma criativa, demonstram o pão nosso de cada dia nos nossos amigos gatos.

De segunda a sexta, não esquecendo o sábado e o domingo, dá-se graças ao pão nosso de cada dia

SEGUNDA FEIRA “Monday’s bread is fair of face,”

TERÇA-FEIRA “Tuesday’s bread is full of grace,”

QUARTA-FEIRA “Wednesday’s bread is full of woe,”

QUINTA-FEIRA “Thursday’s bread has far to go,”

SEXTA-FEIRA “Friday’s bread is loving and giving,”

SÁBADO “Saturday’s bread works hard for a living,”

DOMINGO “But the bread who is breaded on the Sabbath day, Is bonny and blithe and good and gay.”

Parabéns ao blogue http://kleokatt.blogspot.pt/

Fonte: http://kleokatt.blogspot.pt/2013/08/give-us-this-day-our-daily-bread.html

Pastel de nata? Não, pastel de castanha!


É assim na feira Magusto 2014 na cidade de Fundão, o pastel de nata de castanha é o destaque da feira durante este fim de semana.

Idêntico ao pastel de nata, o pastel de castanha assume muitas similaridades. Massa folhada bem estaladiça, recheio com a fruta da época… delícia! Assim é o pastel de nata de castanha, uma agradável surpresa que promete conquistar um lugar de referência na pastelaria portuguesa. Parabéns à pastelaria Paris pela iniciativa.

pastel de nata de castanha

UMA AGRADÁVEL SURPRESA, Rádio da Cova da Beira

“UMA AGRADÁVEL SURPRESA”

Pastel de Nata de Castanha. É uma das novidades do “Magusto 2014”, que decorre até domingo (2 Novembro), na freguesia de Fatela (~Fundão). para surpresa de muitos, o pastel com sabor a castanha apareceu em dois locais do certame: No “Ouriço” e no espaço de Rui Pacheco, junto à escola da aldeia.

Leia a notícia em http://www.rcb-radiocovadabeira.pt/pag/24392

Bolachas da Guarda


Estela Poço é a responsável pela criação e pela confecção das “Bolachas da Guarda”, umas bolachas tradicionais do distrito da Guarda que têm forma de estrelas e de cristais de neve.

bolachas da guarda

 

 

 

 

 

 

 

 

A massa da bolacha, que é composta por farinha de trigo, farinha de milho, manteiga, ovos, açúcar e limão,  é amassada como o pão, é esticada com o rolo e depois é cortada com o cortador à escolha, que tanto podem ser luas, como estrelinhas, como cristais de neve, etc. Depois de cortadas, as bolachas vão ao forno, onde ficam a assar durante 15 minutos. O resultado final é, segundo a artesã, uma bolacha extremamente fina, crocante e muito pouco doce.

As “Bolachas da Guarda” começaram a ser fabricadas há cerca de 7 anos para colmatar a falta de um doce característico da cidade da Guarda que pudesse ser levado pelos visitantes da cidade.

No dia 10 de Junho, por ocasião das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas,  estas bolachas foram inseridas nos cabazes que foram oferecidos a 18 embaixadores.

As bolachas são vendidas em sacos de 100g e podem ser adquiridas no espaço Welcome Center (Posto de Turismo da Guarda, na Praça Velha), em feiras de artesanato da região e directamente na sua residência, mediante a encomenda através dos contactos disponíveis na página do facebook.

Aguardente da Lourinhã na doçaria regional


Pedro Ferreira, proprietário de uma pastelaria do centro da Lourinhã decidiu, há um ano e meio, à experiência, confeccionar uma receita antiga de farinha, amêndoa, açúcar, ovos, margarina, coco, leite e aguardente que completou com alguns segredos. No início deu a provar aos seus clientes mas rapidamente começou a comercializa-los, vendendo uma centena de pasteis por dia.

Surgiu assim o pastel de aguardente, cujo sabor da bebida e da amêndoa o tornam inconfundível. pasteis de aguardente Lourinhã

“Não esperava que tivesse o impacto que teve. Há pessoas que não apreciam aguardente nem outras bebidas alcoólicas, sobretudo senhoras, mas gostam de comer um pastel de aguardente a acompanhar o café. De igual forma, quem conhece bem a aguardente vem também à procura do pastel” refere o pasteleiro.

Além de vender na sua pastelaria, Pedro Ferreira também recebe pedidos de encomendas a partir da internet de países como França e Alemanha.

Sílvia Baptista, também se deixou influenciar pela aguardente e criou duas marcas registadas de bombons de chocolate com recheio de aguardente,  vendendo, hoje em dia, mais de uma dúzia de diferentes tipos.

Depois de dar a provar a amigos e familiares, começaram a surgir encomendas e, hoje, produz, por mês, cerca de meio milhar de bombons que têm sido muito bem recebidos pelos consumidores.

A aguardente da Lourinhã era vendida, nos últimos 200 anos, para o fabrico de Vinho do Porto e era escolhida como digestivo pelos consumidores, antes da liberalização do mercado dos vinhos e da entrada do ‘whisky’ nos mercados.

Em 1992, viu a sua qualidade reconhecida, com a publicação de legislação que veio criar a respectiva Região Demarcada e a Denominação de Origem Controlada, única em Portugal e terceira na Europa, a par do ‘cognac’ e do ‘armagnac’.