O pão na rádio portuguesa


É do pão de quem se fala.

No setor, vivem-se tempos muito dinâmicos… abordagens mais competitivas (alicerçadas no preço e acessibilidade) ou mais diferenciadoras, novos conceitos florescem, uns mais virados para o turismo gastronómico e outros para o serviço onde a distribuição é trabalhada doutra forma.

De facto, o pão é um setor de bastante interesse, importância económica e, também, fundamental nas sociedades.

E, também por isto, o padeiro é uma peça fundamental na padaria.

Por muita inovação e por muitos facilitismos que existam, o padeiro continua a ser o principal ativo, que nunca deve ser esquecido e sobrevalorizado, nem por investidores e, muito menos, pelos consumidores. O consumidor é rei.

O programa Prova Oral da rádio portuguesa Antena 3, convidou Mário Rolando e debruçou-se sobre este tema.

Aqui está o link para quem queira ouvir.

Anúncios

Pratos comestíveis de farelo de trigo


Uma ideia que já vimos ser executada há alguns anos mas que tem vindo a ser trabalhada, recentemente, por uma empresa de Santarém.

A ideia merece ser valorizada e apoiada.

Leia a notícia aqui.

O setor de panificação brasileiro tem mãos portuguesas


Embora o artigo deste site tenhs alguns anos, demonstra e muito bem, a importância da comunidade portuguesa no setor de panificação brasileiro.

Os negócios vão passando de gerações em gerações, transformando-se e aperfeiçoando as suas atividades, à medida que o seu principal recurso também evolui: as pessoas.

A padaria está nas mãos e nos genes de quem a trabalha, de quem a faz crescer, seja em Portugal, no Brasil ou em qualquer outro ponto do mundo.

Clique aqui

Embalagem que conversa o pão


Ao que parece é uma invenção de uma aluna portuguesa inconformada com a curta longevidade do pão, ou seja, o pão enduresse mais rapidamente que a oportunidade que a necessidade de o consumir.

Sem recurso a qualquer tipo de conservantes, a aluna da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto, criou uma embalagem cuja fórmula vai libertando uma substância que prolonga a vida do pão e impede a ocorrência de bolor durante 5 dias. Notável, não?

Fonte

As caralhotas (pão) de Almeirim



Nem todos conhecem a palavra caralhotas ou o que o significa exatamente. Um nome bastante curioso e caricato que faz lembrar tudo menos o que é.

Mas aqueles que já ouviram falar certamente não se esquecem. As caralhotas são o pão tradicional de Almeirim que acompanha a sua famosa sopa da pedra.

Um pão muito saboroso, de miolo suave que gentilmente se desfaz ao colocar na boca e com uma textura de forno de lenha que não engana. Um pão que identifica Almeirim e que também a promove numa relação recíproca.

Estivemos a ler um artigo muito interessante que explica as caralhotas no seu todo…

O nome caralhotas nasce por causa dos pequenos pedaços de massa que ficavam nos alguidares da massa, parecidos com os borbotos das camisolas.

Este artigo fala de Emília Caldeira, uma padeira artista de Almeirim que “trata as caralhotas por tu” e atrai os curiosos e turistas que procuram saber o que são ou deixam-se contagiar pelo cheirinho a pão quente que se faz sentir na rua Moçambique.

 “É uma arte que já vem dos avós e bisavós de Almeirim. A caralhota é feita com farinha, água, sal e fermento. Mas o segredo está na forma como se bate a massa. Tem de ser num alguidar de barro, sempre a bater até pingar o suor. Até a massa fazer bolhas”, diz Emília Caldeira, pode ler-se no artigo.

Leia o artigo aqui.

CNN destaca pastelaria portuguesa


Mais uma cadeia televisiva internacional que destaca a qualidade da pastelaria portuguesa.

Desta vez foi a norte-americana CNN, através do escritor e jornalista de viagens e comida que se deixou levar pelos sabores de 9 pastelarias lisboetas.

Conheça-as.

Bolo-rei, que tipos existem?


A época natalícia está a chegar e com ela muitas iguarias da pastelaria. Rabanadas, pão de jamón, panetone e, como não podia deixar de ser, o rei da festa, o bolo-rei.

A indústria da panificação tem crescido e várias tipologias de bolo-rei tem sido criadas para responder às exigências dos consumidores e, também, para lhes fazer crescer água na boca.

De facto, a família do bolo-rei tem crescido…

  • Bolo-rei, este ainda é o rei durante o Natal nas pastelarias. De massa doce, passas, frutos secos, vinho do porto e frutas  cristalizadas, o bolo-rei soma e segue.
  • Bolo-rainha, mais rico, é fabricado para aqueles que preferem deixar as frutas cristalizadas de lado. É sempre uma escolha requintada.
  • Bolo-rei tipo escangalhado, feito de massa de brioche recheada de apenas com frutos secos e chula que se diferencia pelo seu formato
  • Bolo-rei de chocolate, uma variante que é o resultado da força que este ingrediente tem na indústria e nos próprios consumidores.
  • … e quiçá outras tipologias desconhecidas por nós.

E vocês, qual preferem?

Sensibilidade ao glúten não existe… Verdade?


Uma equipa de investigadores noruegueses e australianos fez uma experiência que publicou uma conclusão bastante surpreendente: o inchaço e desconforto abdominal que muitas pessoas, sem doença celíaca, relatam após a ingestão de pão pode não ter nada a ver com o glúten, mas com outro componente do trigo: os frutanos.

Os frutanos são um tipo de hidrato de carbono encontrado, além do trigo, em alimentos como a cebola, o alho e outros vegetais.

Estudos anteriores já tinham antevido uma possível ligação entre os frutanos e a síndrome do intestino irritável, o que levou os investigadores a interrogarem-se se este elemento estaria também na origem de outros problemas digestivos. 

Para esta investigação as 59 pessoas com intolerência (não celíaca) ao glúten, ao longo de várias semanas, consumiu barras de cereais e anotou os sintomas que teve. Algumas das barras tinham glúten, outras frutanos e outras nem uma coisa nem outra.

Depois dos registos analisados, os investigadores descobriram que a maioria dos voluntários teve o típico inchaço apenas depois de ingerir as barras de cereais que continham frutanos e que quando comiam as que tinham glúten e as de controlo não sentiam qualquer desconforto.

Os investigadores sublinham que esta é uma descoberta importante, uma vez que as dietas com baixo nível ou sem glúten foram associadas, num estudo da Universidade de Harvard, a um risco maior de desenvolvimento de diabetes tipo 2.

A doença celíaca é uma doença auto-imune que ocorre em indivíduos com predisposição genética causada pela permanente sensibilidade ao glúten.

Fonte do artigo: Revista Visão 

Para além do pão também sobe outro alimento


Conforme foi comunicado recentemente, o preço do pão em Portugal irá mesmo subir em Janeiro de 2018.

Contudo, este não é o único aumento previsto. Os ovos também irão subir de preço. Facto que também afeta o setor industrial de panificação e pastelaria, não fosse o ovo um dos ingredientes mais utilizados nas receitas de confeitaria e também de pão.

Depois da recente contaminação pelo inseticida Fipronil de que foram alvo alguns produtores de ovos europeus, chega o aumento de custos da matéria-prima para o mercado.

E a doçaria conventual será uma das principais afetadas, como é o caso dos produtores de ovos-moles de Aveiro e de Pão-de-Ló.

Que acha da subida do preço do pão em Portugal?


Conforme noticiado na comunicação social portuguesa, o preço do pão em Portugal vai subir cerca de 20% no início de Janeiro de 2018.

Segundo os presidentes das Associações do setor, ACIP (Associação do Comércio e da Indústria da Panificação) e AIPAN (Associação de Industriais de Panificação e Pastelaria do Norte), o aumento dos custos energéticos (combustíveis, gás e eletricidade) aliados à subida do salário mínimo, são as principais razões para a subida do preço do pão. Rubricas que representam mais de metade dos custos de uma empresa que atua neste setor.

O pão é um produto que não teve qualquer tipo de aumento desde 2011 e que, em 2028, aumentará cerca de 20%. Fazendo uma previsão das diferentes regiões de Portugal, apresenta-se os seguintes números:

  • Lisboa – 0,24€
  • Porto – 0,16€
  • Braga – 0,13€
  • Coimbra – 0,17€
  • Algarve – 0,20€

Considera que este aumento do preço do pão é bem ajustado?