Feira Intersicop é já em Fevereiro


A Intersicop é já em Fevereiro. De 23 a 26, em Madrid, realiza-se a maior feira do setor de panificação em Espanha.

A feira Intersicop, que tem sofrido algumas transformações edição após edição, assume uma posição estável no “campeonato das feiras europeias”, com uma forte preponderância para a economia espanhola, nomeadamente no setor de panificação.

A edição de 2019 será a nona edição da feira que é organizada pela IFEMA.

Ingredientes, matérias-primas, equipamentos, fornos e outras soluções para padaria, pastelaria, gelataria e café são alguns motivos para visitar a Intersicop.

Site Intersicop

A magia de fazer pão


Fazer pão é algo verdadeiramente mágico. Partilhamos convosco um vídeo disponível na página de Facebook Tasty Presents.

Uma peça muito bem desenvolvida que faz da padaria um setor incrivelmente mágico e querido por todos.

Veja com atenção todos os passos de Gus Reckel (antigo bancário), Edan Leshnick e Jeremy Jan.

“Bread takes time and patience… and things sometimes go wrong.” O pão precisa de tempo e paciência… e, por vezes, as coisas correm mal…

O pão na rádio portuguesa


É do pão de quem se fala.

No setor, vivem-se tempos muito dinâmicos… abordagens mais competitivas (alicerçadas no preço e acessibilidade) ou mais diferenciadoras, novos conceitos florescem, uns mais virados para o turismo gastronómico e outros para o serviço onde a distribuição é trabalhada doutra forma.

De facto, o pão é um setor de bastante interesse, importância económica e, também, fundamental nas sociedades.

E, também por isto, o padeiro é uma peça fundamental na padaria.

Por muita inovação e por muitos facilitismos que existam, o padeiro continua a ser o principal ativo, que nunca deve ser esquecido e sobrevalorizado, nem por investidores e, muito menos, pelos consumidores. O consumidor é rei.

O programa Prova Oral da rádio portuguesa Antena 3, convidou Mário Rolando e debruçou-se sobre este tema.

Aqui está o link para quem queira ouvir.

As caralhotas (pão) de Almeirim



Nem todos conhecem a palavra caralhotas ou o que o significa exatamente. Um nome bastante curioso e caricato que faz lembrar tudo menos o que é.

Mas aqueles que já ouviram falar certamente não se esquecem. As caralhotas são o pão tradicional de Almeirim que acompanha a sua famosa sopa da pedra.

Um pão muito saboroso, de miolo suave que gentilmente se desfaz ao colocar na boca e com uma textura de forno de lenha que não engana. Um pão que identifica Almeirim e que também a promove numa relação recíproca.

Estivemos a ler um artigo muito interessante que explica as caralhotas no seu todo…

O nome caralhotas nasce por causa dos pequenos pedaços de massa que ficavam nos alguidares da massa, parecidos com os borbotos das camisolas.

Este artigo fala de Emília Caldeira, uma padeira artista de Almeirim que “trata as caralhotas por tu” e atrai os curiosos e turistas que procuram saber o que são ou deixam-se contagiar pelo cheirinho a pão quente que se faz sentir na rua Moçambique.

 “É uma arte que já vem dos avós e bisavós de Almeirim. A caralhota é feita com farinha, água, sal e fermento. Mas o segredo está na forma como se bate a massa. Tem de ser num alguidar de barro, sempre a bater até pingar o suor. Até a massa fazer bolhas”, diz Emília Caldeira, pode ler-se no artigo.

Leia o artigo aqui.

Bolo de milho da Ilha do Pico


Enquanto estavamos à procura de informação sobre pães originários das Ilhas dos Açores, encontrámos um artigo muito apetitoso sobre o bolo de milho.

Um bom retrato, umas boas fotografias e uma boa receita tradicional que, futuramente, tentaremos adaptar para um método industrial conforme a ideologia deste blogue.

De formato achatado, similar ao de uma pizza, o bolo de milho, que é pão, é presença garantida em qualquer entrada à refeição. E é garantido que não nos ficamos por uma fatia deste apetitoso pão.

Farinha de milho e de trigo, água e sal. Receita simples e sem fermento para que a massa não cresça. O segredo está no escaldar da farinha como poderão ver na receita do artigo do link.

Aqui tem o link.

Pão de insetos… Já provou?


Foi na Finlândia que surgiu o primeiro pão feito à base de farinha de insetos, lançado pela empresa finlandesa “Fazer Bakeries” há cerca de um mês atrás.

Mais rica em proteínas do que qualquer pão de trigo normal, a receita deste pão é composta por farinha de grilos secos, farinha de trigo e sementes. Para cada pão de tamanho médio, são necessários 70 grilos 

Este não é o primeiro produto feito à base de insetos na Europa. Anteriormente surgiram os hambúrgueres e almôndegas.

Numa época em que as sociedades acreditam, cada vez mais, na futura escassez de recursos, nomeadamente na alimentação, acreditamos que este será um produto com futuro no mercado. 

Os consumidores que já tiveram a oportunidade de provar este pão dizem que não notam grandes diferenças com os pães mais tradicionais como os de trigo. E você, teria curiosidade e coragem para provar?

“Pan y Pizza”… conhece?


As palavras pão e pizza, traduzidas do título acima, são simples e igualmente sugestivas.

As bases, massas, embora tenham algumas similaridades implicam técnicas e proporções que “não se misturam”.

São 2 alimentos que o Homem produz e consome às toneladas diariamente e que dão o mote para um dos mais importantes sites agregadores de informação sobre a indústria da panificação espanhola.

“Pan y Pizza” é um portal de informação que reúne informação assumidamente interessante para quem trabalha no mundo do pao. Artigos, técnicas e opinião, tendências, onde algumas personalidades dão os seus testemunhos.

Tudo em espanhol, claro! Mas perfeitamente percebido e entendido pelo público português com “fome de pão”.

Visite o portal http://panypizza.com.

 

Porque o pão também é solidário


Padaria de Alcanhões leva pão e leite a Pedrógão Grande

Uma padaria do concelho de Santarém, em Alcanhões, durante o trágico incêndio que abalou Pedrógão, foi levar pão e leite aos habitantes das aldeias afetadas pelo fogo.

“Pão Caseiro Duarte Antunes” disponibilizou duas carrinhas de distribuição para levar 150 pães grandes de quilo, 200 bolas e 500 papo-secos. Uma iniciativa solidária que orgulha todo o setor de panificação. Acrescenta-se, ainda, que esta ação contou com a colaboração das  empresas Upacal e a Mopafil.

Parabéns!


Fonte: http://www.rederegional.com/index.php/sociedades/19465-padaria-de-alcanhoes-leva-pao-e-leite-a-pedrogao-grande

Receita de Pão de Mafra


Pão_de_mafra_6

Créditos da imagem: Pão Real. http://www.Paoreal.pt

INGREDIENTES

Farinha de Trigo 10Kg
Água 7l
Centeio Branco 500g
Sal 200g
Fermento 250g

PREPARAÇÃO

Junte a farinha, o sal, o centeio branco e a água (nas quantidades especificadas) dentro da Amassadeira Espiral e deixe amassar durante 20 minutos em 1ª velocidade e 5 minutos em 2ª velocidade.

No fim da 1ª velocidade adicione o fermento.

Depois de preparada, deixe repousar a massa durante 1 hora no estancador.

De seguida, faça empelos de 300g e deixe repousar durante 30 minutos.

Por fim, leve ao forno eléctrico a 220ºC durante 30 minutos.

Bolachas da Guarda


Estela Poço é a responsável pela criação e pela confecção das “Bolachas da Guarda”, umas bolachas tradicionais do distrito da Guarda que têm forma de estrelas e de cristais de neve.

bolachas da guarda

 

 

 

 

 

 

 

 

A massa da bolacha, que é composta por farinha de trigo, farinha de milho, manteiga, ovos, açúcar e limão,  é amassada como o pão, é esticada com o rolo e depois é cortada com o cortador à escolha, que tanto podem ser luas, como estrelinhas, como cristais de neve, etc. Depois de cortadas, as bolachas vão ao forno, onde ficam a assar durante 15 minutos. O resultado final é, segundo a artesã, uma bolacha extremamente fina, crocante e muito pouco doce.

As “Bolachas da Guarda” começaram a ser fabricadas há cerca de 7 anos para colmatar a falta de um doce característico da cidade da Guarda que pudesse ser levado pelos visitantes da cidade.

No dia 10 de Junho, por ocasião das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas,  estas bolachas foram inseridas nos cabazes que foram oferecidos a 18 embaixadores.

As bolachas são vendidas em sacos de 100g e podem ser adquiridas no espaço Welcome Center (Posto de Turismo da Guarda, na Praça Velha), em feiras de artesanato da região e directamente na sua residência, mediante a encomenda através dos contactos disponíveis na página do facebook.