O Bagel chegou a Lisboa


Começou a ser vendido em Lisboa, pela pastelaria Quinoa, o Bagel, um pão redondo em forma de anel, muito popular em cidades como Londres, Nova Iorque, Toronto, Paris ou Amesterdão.

bagels

 

 

 

 

 

 

 

Conta a lenda que o Bagel surgiu em 1683 pelas mãos de um padeiro Austríaco que quis homenagear o Rei da Polónia, Jan Sobieski, por ter salvo o povo da Áustria de um ataque de invasores turcos.  Como o Rei era um grande cavaleiro, o padeiro decidiu moldar a massa em forma de estribo, sendo “Beugel” a palavra austríaca para estribo.

O Bagel é feito de farinha, fermento e água e é fervido e cozido antes de ir ao forno, originando um pão com a casca mais espessa e miolo mais húmido quando comparado com outros pães.

Para acompanhar o sucesso noutras cidades, a Padaria Quinoa, situada no Chiado, começou a vender este delicioso pão em três  variedades diferentes: com sementes de papoila, com sementes de sésamo e wholegrain, podendo ser servido simples ou acompanhado com salmão fumado, queijo creme e cebolinho, mozzarella, tomate e oregãos ou queijo brie com mel e nozes.

 

Fonte da imagem

 

Confeitaria Nacional destacada pela CNN


Fundada em 1829 por  Baltazar Róis Castanheiro, a Confeitaria Nacional é, nos dias de hoje, reconhecida como uma das mais conceituadas casas de Lisboa. Ao longo de mais de 150 anos e 5 gerações diferentes, continuam a ser os herdeiros do fundador os responsáveis por uma casa que já recebeu inúmeros prémios nacionais e internacionais pela excelência da sua doçaria e bolos.

A CNN, conceituado canal de notícias Americano, elaborou uma lista com oito pastelarias europeias e uma americana (mas que segue o estilo europeu), que se destacam pelas suas criações e pelo seu  ambiente monumental.

confeitaria-nacional4

“Quase com dois séculos, a pastelaria lisboeta foi escolhida para uma selecção das melhores e mais antigas casas de doces da Europa.

Na sua secção de viagens, a CNN deu a conhecer oito pastelarias europeias (a que junta uma de espírito europeu na Argentina) que, ao longo dos tempos, acolheram visitantes que provaram (e aprovaram) as suas doces obras em ambientes monumentais. Lisboa consta na lista com a unicidade (e antiguidade) da Confeitaria Nacional.

A pastelaria lisboeta, situada na Baixa, à Praça da Figueira, abriu as suas portas em 1829. No artigo da CNN sublinha-se o charme da sua arquitectura singular: torna-se discutível saber “o que é mais ornamentado, se o exterior da loja ou a pastelaria no seu interior”, refere a autora, Danielle Beurteaux,

Quanto aos doces, foi no final do século XVIII que Baltazar Rodrigues Castanheiro Filho trouxe do sul de França para a Confeitaria Nacional aquele que viria a ser o bolo de Natal tipicamente português: o bolo-rei, onde não faltam as passas, as frutas cristalizadas e as nozes.

Para além da direcção da Confeitaria se manter na descendência da família fundadora, o seu bolo-rei tornou-se numa das especialidades da casa. No entanto, vale também “a pena experimentar um dos seus populares pastéis de nata”, escreve a colaboradora da CNN.

Na lista, juntam-se à confeitaria lisboeta mais oito pastelarias que se distinguem tanto pela sua arquitectura como pelos doces de fazer crescer água na boca. Entre as enunciadas estão a Hofbackerei Edegger-Tax (Graz, Aústria), La Maison Stohrer (Paris, França), Pietro Romanengo fu Stefano (Génova, Itália), Ruszwurm Cukraszda (Budapeste, Hungria), Antigua Pasteleria del Pozo (Madrid, Espanha), Blikle (Varsóvia, Polónia) e a Maison Bertaux (Londres, Reino Unido).

A lista da norte-americana CNN também inclui uma morada mais perto de “casa”: o célebre Café Tortoni em Buenos Aires, Argentina, onde não falta o sabor e ambiente da “velha Europa”.”

Fonte

Fonte da imagem

A notícia original pode ser consultada aqui.

Pasteis de Nata e Lisboa conquistam Daily Mail


O Pastel de Nata, também conhecido por Pastel de Belém, é hoje considerando um dos símbolos da gastronomia do  nosso país e um dos embaixador de Portugal e de Lisboa em todo o mundo.

O Daily Mail, popular jornal Britânico, rendeu-se aos Pasteis de Nata e à cidade de Lisboa como demonstra a notícia publicada e que hoje partilhamos no Receitas Padaria.

Aproveite e consulte também a nossa deliciosa receita de Pasteis de Nata.

Pastel de Nata 1

“Rosie Mortimer, colaboradora do jornal britânico Daily Mail, garante que os pastéis de nata são “razão mais que suficiente para visitar Lisboa”. Mas há outros motivos que fazem com que os turistas queiram sempre regressar, diz a redatora num artigo publicado na semana passada.

A redatora visitou a capital portuguesa acompanhada do marido e a primeira coisa que fez, seguindo a recomendação de um amigo, foi visitar os pastéis de Belém. Além de elogiar os pastéis em si, a jornalista destaca o ambiente do café “cheio de locais” e a boa disposição do empregado que os serviu.
Aliás, a “simpatia” dos portugueses foi uma das características que impressionou a redatora do artigo. Rosie conta que um polícia a quem pediram indicações chegou mesmo a deixar-lhes o contacto telefónico “para o caso de se perderem”.
Depois de visitar as Docas, graças à indicação do agente da autoridade, Rosie e o marido partiram à descoberta da zona mais antiga da cidade, a boleia do elétrico 28, que segue “abanando-se por ruas estreitas”.
A redatora do texto afirma que “há museus em quase todas as ruas” da cidade e recomenda a visita ao museu Berardo, “recheado de obras de Andy Warhol, Francis Bacon, Pistoletto e Jeff Koons”.
A gastronomia não podia passar despercebida, com o artigo a recomendar especialmente os pratos de bacalhau. Depois de jantar, Rosie sugere uma visita ao Bairro Alto, onde a “música dos bares invade as ruas”.
De regresso a casa, Rosie e o marido não hesitam em afirmar que um dos motivos pelos quais Lisboa se está a “tornar um destino favorito” é o facto de os portugueses “viverem de uma forma despretensiosa”.

Clique AQUI para ler ao artigo completo (em inglês).”