Receita Pão de Água


INGREDIENTES

Farinha de Trigo 10Kg
Água 9l
Fermento 200g
Sal 200g
Melhorante 100g

Coloque a farinha, o sal, o melhorante e a água (5,7l, cerca de 60% do total de água) dentro da tina da Amassadeira Espiral e amasse em 1ª velocidade durante 2 a 3 minutos.

Logo que o preparado de massa ganhe consistência (liga), aumente a rapidez de amassadura para a 2ª velocidade e durante o processo de amassadura, acrescente, pouco a pouco, a restante quantidade de água (o fermento poderá vir diluído na água).

O tempo de amassadura em 2ª velocidade deverá ser de 15 minutos, totalizando cerca de 18 minutos de amassadura.

De seguida, retire o preparado para o Estancador e deixe levedar durante 60 minutos.

Depois de levedada, leve a massa em empelos de 1,8Kg para a Divisora Manual, destranque a prensa e corte em 30 porções (60g).

Por último, leve ao forno elétrico a uma temperatura de 220º C durante cerca de 13 minutos.

 

Anúncios

para aprender na padaria


Hoje damos a conhecer uma iniciativa solidária que valoriza o setor de padaria em Portugal, nomeadamente a formação.

Uma campanha que reúne uma instituição de Águeda que apoia pessoas com incapacidade com uma empresa do setor industrial de padaria.

A campanha, intitulada de ““PARA APRENDER, PARA SER MAIS”, tem como propósito apoiar os formandos do Curso de Restauração da CERCIAG através da oferta de uma máquina industrial de panificação da marca de equipamentos Ferneto.

Uma amassadeira que seja um instrumento de aprendizagem para os alunos, permitindo que estes estejam melhor preparados como futuros profissionais na área de padaria, pastelaria e cozinha.

Para que o equipamento seja doado à CERCIAG, a empresa pretende chegar aos 4000 fãs no Facebook. Uma meta que não parece impossível e que merece todo o nosso apoio daqueles que também gostam das Receitas de Padaria.

Aqui seguem os respetivos links: Ferneto | CERCIAG

aprender na padaria

Receita de Padas de Pão


INGREDIENTES

Farinha de Trigo 9Kg
Farinha de Centeio 1Kg
Farelo fino 200g
Água 6,5l
Sal 140g
Fermento 200g

PREPARAÇÃO

Junte as farinhas de trigo e de centeio, o farelo fino, o sal e a água dentro da tina da Amassadeira Espiral e amasse durante 10 minutos (3 minutos em 1ª velocidade e 7 minutos em 2ª velocidade). Entre os 7 e 10 minutos do tempo total de amassadura, acrescente o fermento.

Deixe repousar o preparado de massa durante 30 minutos no Estancador.

De seguida, corte em empelos de 3Kg e divida em 30 unidades de 100g na Divisora Semiautomática.

Depois vinque as peças de massa ao meio para que fique com uma bola de massa em cada lado.

Por último, leve ao forno elétrico a 240ºC entre 15 a 20 minutos.

Padaria portuguesa no seu melhor. Uma oportunidade


A padaria e pastelaria portuguesas, tal como toda a nossa gastronomia, são um “tesouro” que devemos saber preservar, “aproveitar” e fazer crescer a nossa cultura, o nosso país!

Sugerimos a leitura deste pequeno excerto de um artigo publicado pelo Observatório de Imigração:

“As marcas portuguesas: Pastéis de nata de Roodt-sur-Syre e pão Saloio “made in Luxembourg”

Longe vão os tempos em que era preciso ir às mercearias para encontrar produtos portugueses. Hoje, as grandes superfícies e empresas do sector alimentar luxemburguês lutam por conquistar o “fiel consumidor”. Pastéis de nata feitos em Roodt-sur-Syre e  o pão saloio “made in Luxembourg”, fazem parte do “comércio da saudade” que movimenta milhões de euros por ano.

 

Eram outros tempos. Quando Mili Tasch-Fernandes cá chegou, em 1967, o número de portugueses no Luxemburgo não chegava aos 5 mil. Para estes pioneiros, encontrar produtos nacionais era uma aventura e um desafio aos hábitos alimentares luxemburgueses.

“Não havia quase nada. Houve uma época em que os produtos portugueses se encontravam unicamente nas pequenas mercearias ou no supermercado Primavera. Eu lembro-me de ir ao Primavera aos domingos de manhã para comprar mercearias e legumes portugueses. Hoje já não é preciso: as grandes superfícies vendem praticamente tudo”.

Quarenta anos depois da chegada dos primeiros portugueses ao Grão-Ducado, as marcas da imigração estão por todo o lado: nos cafés e restaurantes, nas mercearias de bairro, nas prateleiras das grandes superfícies, a abarrotar de óleos Fula e conservas Bom Petisco.

“Basta olhar para as estatísticas demográficas. Há 80 mil portugueses no Luxemburgo, que representam entre 15 % e 20 % da população do país, e claro que querem encontrar as marcas que lhes são caras”.

Os campeões de vendas são “os vinhos e bebidas alcoólicas, as conservas de peixe (o atum Bom Petisco é dos mais fortes, temos vendas enormes), o arroz Caçarola, o óleo Fula, o azeite Galo, são tudo produtos com grande saída”.

Na padaria, encontra-se “pain portugais” made in Luxembourg e pastéis de nata importados de Portugal. “Vendemos 400 mil unidades por ano”, diz o responsável de compras do Cactus. “É a receita autêntica de Lisboa, importamo-los congelados de Rio Maior”.

E os campeões de vendas na doçaria portuguesa, “les natas”, como lhes chamam os luxemburgueses, já têm companhia.

“No ano passado, começámos a vender também bolos de arroz. Funcionou tão bem que vamos continuar, vendemos 100 mil num ano”.

O Auchan também importa pastéis de nata de Portugal. Vêm congelados da Auchan Portugal. Mas a popularidade deste ícone da doçaria lusitana é tão grande que já há quem os produza no Luxemburgo. Adeus pastéis de Belém, olá pastéis de Roodt-sur-Syre.”

Fonte: http://www.observatorioemigracao.secomunidades.pt/np4/1617.html